Atendimento Educacional Especializado (AEE) e o Ensino de Ciências: estudo de caso em uma escola no Sul do Espírito Santo

Resumo: A presença de alunos com necessidades educacionais especiais (NEE), ou seja, aqueles alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação (BRASIL, 2008), em escolas de ensino regular é cada vez maior. Segundo dados finais do Censo Escolar da Secretaria Estadual de Educação do Estado do Espírito Santo (SEDU), em 2015 tivemos 384 alunos em tempo integral e 4.923 alunos em tempo parcial, matriculados nos anos finais do Ensino Fundamental nas redes estaduais e municipais, urbanas e rurais. Particularmente, com relação ao município de Guaçuí, foram contabilizadas 270 matrículas de alunos NEE incluídos em classes comuns de escolas regulares na rede municipal. As políticas públicas que visam à inclusão em todas as etapas escolares, o que supõe um aumento do número de alunos com NEE matriculados em todas as etapas da Educação Básica. Diante disso, os sistemas de ensino devem matricular os alunos nas classes comuns do ensino regular e no Atendimento Educacional Especializado (AEE), que deve ser ofertado em Salas de Recursos Multifuncionais (SRM). O AEE se constitui enquanto um serviço de apoio complementar ou suplementar ao trabalho desenvolvido na sala de aula do Ensino Regular e pode ser ofertado tanto em escolas comuns quanto em escolas especiais. Uma vez que tratar a educação inclusiva é um trabalho muito amplo, este projeto de pesquisa tem como foco compreender, de forma mais geral, como tem se constituído a articulação entre o trabalho dos professores que atuam no AEE – política de inclusão escolar que tem sido referência em nosso país – e os professores da sala de aula do Ensino Regular. De maneira particular, nosso olhar estará voltado para o ensino de Ciências e o professor de Ciências, pois acredita-se que tem sido dada maior ênfase ao desenvolvimento da leitura, escrita e conhecimentos matemáticos em detrimento a outras áreas do saber. Além disso, ensino de Ciências é fundamental para a alfabetização científica dos cidadãos que compõem uma sociedade. Portanto, surge como uma necessidade de qualquer indivíduo inserido na sociedade científico-tecnológica atual. Como campo da investigação uma Escola Municipal em Guaçuí/ES.

Data de início: 2016-10-01
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Mestrado Érica Castellari Costa
Coordenador Simone Aparecida Fernandes Anastácio
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras | Vitória, ES -Brasil | CEP 29075-910